???????????????????????????????????? Especiais / Ser Mãe

Recentemente fiz um workshop sobre competências parentais onde aprendi a expressão “a mochila que carregamos”, como sinónimo das crenças que ao longo do nosso crescimento nos foram condicionando e retirando liberdade, em virtude de sermos aceites e “mais” ou “melhor” amados. Se isto me fez reflectir sobre a minha própria mochila, mais ainda em relação à mochila do meu filho, na qual sou responsável por colocar o peso…

No entanto, trago aqui esta partilha por outro motivo. A minha expectativa no parto do meu filho Gabriel, esteve sempre condicionada pelas histórias de parto que ouvi a minha Mãe contar, ao longo da minha existência. Ouvi muitas, mas a da minha Mãe era mais pesada. Se era para mim, imaginem para ela… aqui fica o relato na primeira pessoa.

Agradeço a todas as mulheres que se cruzaram no meu caminho e me mostraram que eu podia ser/fazer diferente… e obrigada às Mães d’Água pelo caminho que já traçámos. Juntas!


Mulher dos 7 ofícios, divido o meu tempo entre a Educação, o Teatro, o Associativismo e 1001 ideias sempre em processamento. A minha "actividade" principal é, no entanto, ser Mãe. (Re)descobrir o mundo novamente pelas mãos do meu filho e despertar novas sensibilidades em ambos. Tenho como lema "falhar, falhar mais, falhar melhor". (não sigo o acordo ortográfico)