Mulheres inspiradoras ~ Ina May Gaskin Especiais / Ser Parteira

Quando ouvimos o nome Ina May Gaskin pensamos imediatamente na The Farm e na Authentic midwifery (sobre a prática e o saber autêntico das parteiras).
Tanto no seu estilo de vida, como nos seus atos e nos seus ensinamentos, Ina May transmite mensagens essenciais e abrangentes.

Essas mensagens podem facilmente ser condensadas assim:
– A humanidade não pode sobreviver sem redescobrir as leis da natureza.

O primeiro passo deverá ser de reconsiderar a forma pelo qual os bebês nascem.

Este passo implica o resgate do trabalho autêntico da parteira.
– O segundo passo deveria ser, em nome das gerações por vir, parar com a destruição do solo através dos métodos agrícolas agressivos.

Em 1971, 320 hippies de São Francisco deixaram a costa oeste dos EUA. Sua visão era inventar um novo estilo de vida. Atravessaram o país numa caravana feita de autocarros escolares adaptados. O seu slogan era “Na estrada para salvar o mundo“. Acabaram por criar a comunidade The Farm, no condado mais pobre do Tennesse, próximo de Summertown. Durante este período de viagem 12 bebês nasceram na comunidade. Foi assim que Ina Mary e outras mães do grupo se tornaram parteiras.

image

image

No auge da The Farm, no final da década de 70, nasciam por mês duas dúzias de bebês na comunidade. As parteiras tinham assim ganho muita experiência, e em 1977, Ina May estava pronta para lançar o seu livro histórico Spiritual Midwifery, um marco na história do parto e do nascimento. Até hoje este livro continua a ser o símbolo do resgate do trabalho das parteiras nos EUA, e também na Europa.

image

image

Hoje, The Farm chama-se The Farm Midwifery Center, e é um centro/ casa de parto que oferece apoio na gravidez e parto como unidade liderada por parteiras: aconselhamento pré-natal; aulas de preparação para o parto; apoio ao bebé após o parto… e é claro, assistência ao trabalho de parto (parto na água incluído), ao domicílio, e o no próprio centro. Ina May Gaskin pode ser encontrada aqui, e é uma presença constante como uma das instrutoras nos workshops para parteiras.

Até hoje Ina My Gaskin lecciona para parteiras e médicos em todo o mundo. Promove um método extremamente eficaz, e de baixa intervenção, para lidar com uma das mais temidas complicações no parto, a distócia de ombro, e que está a ser adoptado por um número crescente de médicos. A “manobra de Gaskin” é o primeiro procedimento obstétrico a ser baptizado com o nome de uma parteira. As suas estatísticas de partos pélvicos e o seu vídeo/ aula sobre o assunto, ajudaram a desencadear uma reavaliação da política de uso de cesarianas a todos os bebés com esta apresentação. Partos vaginais, nestes casos em que o bebé está “sentado”, têm diminuído tanto ao longo dos últimos 40 anos que o conhecimento e a habilidade necessárias para estes nascimentos estiveram perto da extinção.

O centro de Ina May Gaskin é conhecido pelas suas baixas taxas de intervenção, morbidade e mortalidade, apesar de muitos partos vaginais normais, de gémeos e de múltiplos. As suas estatísticas foram publicadas no “The Safety of Home Birth: The Farm Study”, da autoria de A. Mark Durand, American Journal of Public Health, Março de 1992, Vol. 82, 450-452. Ela foi apresentada na secção “Carreiras Brilhantes” da revista Salon, 1 de Junho, edição de 1999. A revista Sun publicou uma entrevista com ela na sua edição de Janeiro de 2012.

Tal como May diz, não é apenas o fazer bebés, mas é o fazer de mães, que as parteiras vêem como o milagre do nascimento!

~ Ina May Gaskin, MA, CPM, PhD (Hon.) é fundadora e diretora da “Farm Midwifery Center”, localizada perto de Summertown, no Tennessee.
Fundada em 1971, até 2011, este centro lidou com cerca de 3.000 nascimentos, com resultados incrivelmente positivos. Ina Gaskin deu assistência ela própria a mais de 1200 partos.
Durante 22 anos, publicou a “Birth Gazette”, uma edição trimestral que cobre questões de saúde, parto e obstetrícia.
O seu guia para o parto “Ina May’s Guide to Childbirth” foi lançado em 2003 pela Bantam/Dell, uma divisão da Random House e foi traduzido em italiano, esloveno, alemão e francês.
O livro sobre amamentação “Ina May’s Guide to Breastfeeding” foi publicado em 2009 pela Bantam/Dell e o seu livro mais recente “Birth Matters: A Midwife’s Manifesta” foi publicado em 2011.
Ela leccionou por todo o mundo em conferências de obstetrícia e em escolas de medicina, tanto para os alunos como para as faculdades.
Foi presidente da “Midwives’ Alliance” da América do Norte, de 1996 a 2002.
Em 1997, recebeu o prémio Lamaze Irwin ASPO/Chabon e o prémio “Tennessee Perinatal Association Recognition”.
Em 2003, Ina May foi escolhida como “Visiting Fellow” do Colégio Morse, Universidade de Yale.
Em 2009 foi-lhe atribuído o título de Médica Honorária pela Faculdade de Saúde e Ciências Humanas da Universidade do Thames Valley, em Londres, Inglaterra.
Em 2011, foi escolhida como uma das quatro vencedoras do prémio “Right Livelihood” (também conhecido como o Prémio Nobel Alternativo), numa cerimónia de premiação dada em frente ao Parlamento sueco, em Estocolmo.

“Pelo trabalho de toda uma vida a ensinar e a defender métodos de parto seguros, centrados na mulher, que promovem a melhor saúde física e mental da mãe e da criança”.
~ Barbara Katz Rothman, Socióloga, Autora

A Ina May acredita que mudando a forma de nascer mudamos o mundo! Nós também acreditamos, e tu?

 

Fontes:
“O camponês e a parteira, uma alternativa para a industrialização da agricultura e do parto”, de Michel Odent
www.inamay.com
www.thefarmmidwives.org

Spiritual Midwifery (um pdf de presente para ti!)


Um coletivo de mães que fomentam o Parto na Água em Portugal.