Medo Grito na Lua Negra

Hoje acordaste a gritar.

Corremos para o teu encontro. O pai chegou primeiro e pegou em ti. Não sossegaste.
Choro contínuo.
Vens ao meu colo. Eu abraço-te com força e digo:
“Estás em segurança connosco!”
Ofereço-te a mama e começas a tranquilizar. Adormeces com relativa facilidade.
A minha mente… não! Fico alerta. Voltarás a acordar? Como está a tua respiração? Tranquila?
Penso com o que poderias tu estar a sonhar que te assustasse tanto.

“Impotência… não saber…”

Foi um pesadelo, eu sei, mas a sensação de impotência, de não saber o que se passa está presente em mim. Como mãe sinto que é meu dever estar para ti, abraçar-te, dar-te colo ou mama. Mas quando não sei de que tens medo, o que te assusta… resta-me imaginar. E a mente de uma mãe preocupada não é amiga.
É sombria, agitada como um mar revolto numa tempestade de inverno! Vê coisas, fantsmas, seres do além que possam te perturbar…
A mente de uma mãe reage pelo sentimento e emoção e não pelo lógico. O pensamento matemético aqui não existe. É mais uma filosofia pegada de emoções ao rubro.

“… estás segura comigo”

Por isso, o que eu, tua mãe, posso fazer neste momento em que acordas a chorar assustada com um pesadelo? Posso fazer o que sei mesmo sem saber o que sentes. Posso abraçar-te com força e sorrir com ternura, pois despertas em mim muito amor.
Posso dizer-te que te amo e que estás segura comigo. Os meus braços são o teu porto seguro, o meu peito o teu aconchego, o meu leite o teu alento. Posso enviar luz para ti, meu ser de luz, para que a minha energia te tranquilize.
Posso observar-te e escutar-te para aprender contigo, perceber o que precisas ara que a minha sensação de impotência seja menor no teu próximo sonho mau.

(Fotografia por Liliana Brandão)


Cátia é mãe, mãe d´água de coração! Adora o conhecimento acerca do funcionamento do corpo humano, desenhar e brincar com a sua princesa. A Cátia é AO, terapeuta de Shiatsu e de Chi Kung, Naturopata e amante das medicinas complementares. Ela defende que devemos aprender a conhecer o nosso corpo e viver em harmonia com ele e com a natureza.

  • Maria

    Esta precisa noite o meu pequenino tambem acordou assim. Aos berros, a gritar : ” Nao, nao, nao” e eu abracei-o, embalei-o, mas ele nao estava ali. Nao me ouvia, nao me reconhecia. Demorou um pouco e espremi-o bem bem apertado. A respiracao acalmou e ficou a dormir nos meus bracos. Percebo essa impotencia, malditos pesadelos. 🙁

    • <3 mesmo... muito carinho nosso e gratas pela partilha <3

    • Cátia

      Abraço de luz
      Grata pela partilha <3

  • <3 <3