[Relato de Parto #27] Michele Carvalho Relatos

Desde muito nova, tinha em minha mente que o parto em hospital não era para mim.

Eu cresci a escutar histórias… da minha bisavó, que teve 12 filhos, sozinha na beira do rio; da minha mãe, que “cuspia” as crianças, e muitas outras… onde o hospital não entrava.

Quando fui para a universidade apaixonei/me pela área da saúde da mulher. Mais tarde casei e vim para Portugal, e por aqui sempre ouvi relatos de parto terríveis, muito manipulados, que “rasgavam a mulher toda”…
Comecei a pensar, “meu deus como será quando eu engravidar…?”

Mas não me limitei a pensar nisso, ou a lamentar a realidade à minha volta, comecei a pesquisar e a me apaixonar cada vez mais pela “humanização do parto”.

Em 2007 fiz formação como Educadora perinatal, com o GAMA, e aí pronto! Nunca mais consegui deixar de ler sobre o assunto, tanto que comecei a pensar “Quero ser DOULA”, no fundo e antes de mais, para saber mais sobre todo este tema.
Um dia… tudo aconteceu…

Quando em 2008 engravidei eu comecei também a sonhar. E o sonho tornou-se realidade, consegui pôr em prática o Meu parto – um parto na água! Porque assim era o que eu queria, desde sempre! Um parto natural, na água, em casa.

Agora sim começa o meu Relato de Parto 😀

Na noite de 12 de Dezembro de 2008, eu, já com a bolsa rota – superior, provavelmente, pois o líquido amniótico descia bem pouquinho – pensei, “está a chegar a hora de ver esta coisinha boa…
Liguei à Parteira e à doula e disse o que estava a acontecer, como a parteira era de longe, pôs-se logo a caminho.

A parteira assim que chegou a Leiria veio me ver. Ainda estava tudo tranquilo, sem contrações dolorosas. Ela foi para o hotel e se eu precisasse dela era só chamar. A doula não veio ainda, pois achei que não era necessário, e ela estava a 30min daqui.
Fui dormir.
Pelas 6h da manhã, ainda sem contrações dolorosas, fui à casa de banho e senti que tinha perdido o rolhão mucoso. Liguei à Parteira e contei tudo. Ela perguntou “Tens sono? Consegues dormir?
Fui dormir.
Às 10h da manhã acordo, agora sim já com contrações dolorosas, mas ainda espaçadas, que fui fazer?
Tomar banho! 😀 Pronto! Acelerou tudo, mas foi o que me apeteceu no momento. Telefonei desta vez à parteira e também à doula.
As contrações começaram a ficar mais intensas e ritmadas, por volta das 11/ 11:30h a malta toda já a postos, minha mãe a fazer o almoço e eu a apreciar a chuva e a “trabalhar”. Queria sentir as contrações em todas as posições, às 13:30h mais ou menos, eu queria ir para a piscina, e o marido já a tinha prontinha e bem quentinha.

Entro para a água e foi maravilhoso, foi tudo que eu podia querer naquele momento! A água é mesmo uma coisa maravilhosa e relaxante.

A minha doula começou a fazer-me massagens nas costas e a molhar-me com um baldinho, e eu já sentia vontade de fazer força, muito forte mesmo.
Já na fase dos delírios 😀 eu só conseguia me sentir bem na posição de “gatas” e assim fiquei todo o período expulsivo.
Às 14:40h do dia 13/12/2008, cá estava, um menino lindo, com 3,750kg e 51 cm, sem intervenções, sem episiotomia, sem anestesia, sem brutalidades e ao som de kenny G, à luz de velas e com um ambiente muito tranquilo, rodeada das pessoas que amo e de excelentes profissionais.

Foi o momento mais importante da minha vida, foi tudo como nós tínhamos idealizado e cheio de ocitocina.

Foi maravilhoso ver todos os presentes à mesa, a almoçar e a comemorar, enquanto eu e meu marido “lambíamos a cria”.
Foi tudo tão natural, tenho que agradecer a todos os presentes, ao meu marido Gustavo e a minha mãe Aurora que me davam força o tempo todo (mesmo que fosse só com os olhares, eu sentia!); à minha doula querida, Ana Raposeira; e claro, à parteira que me deu todo o apoio e segurança que eu precisava. Agradeço a DEUS, acima de tudo, que fez com que este momento maravilhoso fosse verdade. Agradeço a mim mesma, por ter permitido que meu filho tenha tido este começo de vida maravilhoso cheio de AMOR e PAZ.

Porque, como diz nosso inspirador,

“Para mudar o mundo, precisamos mudar a forma de Nascer.”
~Michel Odent

~ Michele Carvalho


Um coletivo de mães que fomentam o Parto na Água em Portugal.