Procedimentos de rotina no bebé ~ o primeiro banho Coluna Humaniza-te

Na maioria dos hospitais há procedimentos que são feitos por rotina, porque fazem parte do “protocolo hospitalar” mas que muitas vezes não têm em conta as evidências científicas e não respondem a necessidades reais, do bebé ou da mãe.

Estes textos eu escrevo sobre a realidade no Brasil (sabemos que as Mães d’Agua tem muitas seguidoras brasileiras), mas também (e com a ajuda de profissionais de saúde portuguesas, a quem agradecemos muito!) referindo como é a realidade em Portugal.

Hoje vamos falar sobre o primeiro banho do bebé, quando deve acontecer?

No Brasil é rotina o banho imediato após o parto, muitas vezes antes mesmo de levar o bebé para o precioso “pele com pele” com a mãe.

Esta intervenção não faz sentido, porquê?

Para além de deste modo privar o par mãe/ bebé do contacto imediato, o banho vai privar também o bebé de uma proteção muito preciosa que a Mãe Natureza criou para ele: o Vérnix.

Em Portugal esta prática está ultrapassada e nos hospitais já não é dado banho ao bebé antes de 12 horas após o parto. No entanto… existem ainda hospitais que mantêm esta rotina ou em que, mesmo não dando banho, a pele do bebé é esfregada vigorosamente, retirando o Vérnix. O nosso conselho é que o tema do primeiro banho faça parte da investigação, escolha informada e plano de parto de todas as mães.

O Vernix é formado entre a 17ª e a 20ª semana de gestação e é um elemento importante para a maturação intestinal.
É produzido em geral até a 38ª semana gestacional, tem o importante papel de impermeabilização da pele do bebé durante a vida fetal, e também é muito importante na sua ação antibacteriana.

A Vérnix caseosa é um material gorduroso branco, que é formado pelo acúmulo de secreção das glândulas sebáceas e inclui células epiteliais e lanugem, que cobrem a pele ao nascimento.
Esse material pode estar presente sob a forma de uma camada muito fina, ou muito espessa, e normalmente desaparece sozinho nas 24 horas após o parto. Mas mesmo poucas horas depois do nascimento podemos já ver a pele do bebé sem essa camada protetora.
Em geral bebés mais maduros, com mais de 40 semanas, apresentam menos Vérnix, e os mais prematuros costumam nascer protegidos com uma camada mais generosa desta substância.

A sua acção começa ainda dentro do útero da mãe, ele já atuava antes do nascimento, protegendo o feto contra possíveis microrganismos presentes no líquido amniótico, e na verdade continua a proteger, mesmo fora do ventre materno.

Faz parte das Diretrizes da Organização Mundial de Saúde para os cuidados com o recém-nascido: o vérnix não deve ser removido imediatamente.

(Com excepção de situações específicas como por exemplo história de infecções prévias e perinatais, ou líquido amniótico meconial ou fétido.)

Após as 24 horas de vida a sua remoção é recomendada (para evitar infecções ou alergias eventualmente causadas pela humidade que este mantém na pele), e um banho dado pela mãe ou o pai, por exemplo, pode ser uma boa experiência para a família.
O bebé se sente naturalmente mais seguro quando está perto do pai ou da mãe, por isso sugerimos que o banho conte com a presença deles.
Não há pressa, mas sim benefício em dar o primeiro banho ao seu bebé quando estiverem já estáveis, calmos e tranquilos. É possível inclusive considerar banhar-se junto com ele no chuveiro (com pressão suave), ou na banheira.

Esta é mais uma das questões para pensar, sobre a forma como seu filho vai ser tratado ao nascer.
Espero que tenham gostado, a todas uma ótima semana!

Carinho meu,
~ Gláucia Figueiredo

(imagem de Paulina Splechta)


Mãe de Lenin e Manuella, Doula, Terapeuta Corporal, Instrutora de Yoga com foco em Gestantes e Crianças, da Associação Internacional de Ecologia Feminina,desenvolve e aplica projetos na área, workshops e atendimentos individuais desde 2008.