Entrevista com Vera Cristina Ribeiro Entrevista

Hoje vamos conversar com a Vera, uma Mulher com talento para comunicar com os outros.
Convidamo-vos a lê-la! Um bem-haja! 

 

– O teu projecto mais recente, uma revista online, chama-se “Viver o Feminino”.
Porquê esse nome?

Sou mulher que ama ser 20160712_133010mulher, que sempre procurava ter relações de Entrega e Amor com as mulheres que me brindavam com a sua presença na minha vida.

Sentia e sinto que devemos unir-nos, sinto que a minha alma precisava deste encontro, sinto que o mundo lá fora é ainda injusto com o nosso potencial e juntas estaremos mais seguras, protegidas e em amor.

Quando pensei neste projeto, foi com o desejo de criar este espaço de entrega e partilha entre mulheres. Desejo um novo futuro para todas nós, desejo que esse Mundo comece por estes pequenos momentos.

Não posso deixar de dizer que o Viver O Feminino, não é só para mulheres, muito pelo contrário, temos colaboradores homens e queremos que eles nos possam ajudar neste crescimento. Queremos que os homens conheçam as nossas necessidades de mulheres, queremos comunicar-lhes que, sem eles, o ciclo da vida fica incompleto, queremos tê-los como parceiros e companheiros desta viagem.

 

– Qual é o teu objetivo com a criação desta revista?

O principal objetivo era trabalhar na minha área de formação, mas, num projeto com o qual me identificasse.

Acho que já existem no mundo demasiados meios de comunicação a partilhar a desgraça alheia, não quero viver, nem alimentar-me desses conteúdos. Quero que o meu trabalho seja o reflexo de quem eu sou, e quero muito contribuir para o evoluir da nossa espécie.

Não foi há muito tempo que descobri (ainda que já o soubesse) o que vim fazer a este mundo: Espalhar a mensagem de que é possível criar um lugar mais justo para todos, assim seja o nosso desejo.

 

– Como podemos conhecer esta revista?

A revista funciona online, é um site de conteúdos, com informação e/ ou conhecimentos que poderão despertar e ajudar aquelas pessoas que sabem que não estão a viver ou a sentir-se em sintonia com o fluir da vida.

 

– Que pessoas colaboram contigo neste projeto?

Tenho certeza que as pessoas que colaboram na revista Viver O Feminino, têm acima de tudo o mesmo objetivo que eu: vontade de criar um mundo mais justo e equilibrado.

Antes de as mencionar tenho que referir que sou extremamente grata à vida por ter permitido estes encontros, são pessoas lindas, detentoras de um coração cheio de um amor infinito, são pessoas dedicadas a trabalhar o seu “lado sombra”, que, sendo conscientes de todas as suas limitações humanas, superam-se a cada dia.

A ti Mikaela Övén e Cátia Pereira Dias, (em representação do grupo da Academia de Parentalidade Consciente), Cristina Gomes, Cristina Neves e Paula Neves, Daniela Gonçalves, Diana Faustino, Filipa Faustino, Filipa Ferreira, Helena Pereira, Liliana Brandão, Joana Fartaria (e outras colaboradoras pontuais em representação do grupo Mães d’ Água), Rita Alves, Sara Rios, Tiago Bastos, gratidão é o que tenho no coração!

Que este projeto também seja útil a cada um de vós e que, acima de tudo, permita partilhar a vossa mensagem.

 

– Como nasceu a ideia de convidares as Mães d’ Água para colaborar com a revista?

Quando comecei com o projeto da Revista online, Viver O Feminino, já tinha visto vários artigos e vídeos do site Mães d´Água, com os quais me identificava muito. Por isso, quando comecei à procura de colaboradores de imediato pensei neste grupo.

Os valores de respeito pelo Natural, a vontade de contribuir para a consciência de um mundo melhor,  levar essa bandeira para qualquer lugar, fazer destas ideias uma forma de trabalho, acredito que tudo isto temos em comum.

E por isso, esta colaboração para mim fazia todo o sentido.

 

– Que tipo de artigos podemos encontrar na tua revista?

No site Viver O Feminino encontram conteúdos relacionados com a Parentalidade, Psicologia, Espiritualidade, Parto, Gravidez, Sociedade, Saúde, Artigos de Opinião, Testemunhos de Terapias, Eventos e qualquer outro tema positivo e que se relacione com esta forma aberta e verdadeira de experienciar a Vida.

 

 – Como conheceste as Mães d’Água?

Conheci o grupo Mães d´Água através de um vídeo no Facebook que alguém que tenho como amigo partilhou. Não recordo o vídeo, mas sei que de imediato procurei ver a página e site do grupo.

 

– A tua profissão esta relacionada com esta área?

Sim, a minha profissão tem tudo a ver com esta área. A minha formação é em Comunicação, vertente Social. Eu sou Produtora de Conteúdos, antes em televisão, agora nos Meios Digitais. Também já fui Professora e Jornalista.

 

– Consideras-te uma mulher feminista?20160716_195939

Não, realmente não me sinto feminista, sinto-me feminina, e para mim, são conceitos tão, mas tão diferentes.

No passado fui uma “feminista chata”, daquelas que passam horas a debater com amigos, familiares, conhecidos a igualdade de género. Hoje, entendo que essa fase fez parte do meu processo evolutivo, acredito nos direitos iguais entre homens e mulheres, mas jamais seremos iguais aos homens, tentar sê-lo só nos vai colocar contra a nossa essência, que é ser feminina.

 

– O que é, para ti, ser Mulher?

Para mim ser mulher é chorar quando tenho vontade (e choro muito, como quase todas as mulheres), é respeitar e honrar os meus ciclos, é ser sensível e compreensiva, é ouvir o meu instinto, é ser poderosa e fraca, é cair e chorar, é levantar com um sorriso. É pôr em evidência a minha sensualidade feminina, é amar-me dentro, fora e cada partícula do meu ser, é ser única e partilhar isso com o mundo.

 

– De que forma é que o Sagrado Feminino “fala” contigo?

Eu falo com o Sagrado Feminino a cada segundo da minha vida, Respirar é sentir o Sagrado Feminino, Oferecer e Receber um Abraço é falar com o Sagrado Feminino, Amar e Permitir Ser Amada, Ouvir e Falar com o Coração, SSeguir o Fluir da Vida sem imposições são algumas das formas em que me sinto ligada à força da Natureza Sagrada que nos mantém vivos.

 

– Que Mulheres te inspiram?

Existem tantas, mas tantas mulheres que me inspiram, arrisco a dizer todas as que cruzam o meu caminho me inspiram, umas despertam a magia e a conexão entre nós, outras o meu “lado sombra” (refiro-me, permitem que trabalhe aspetos do meu ser relacionados com a crítica, a tristeza, a raiva, a inveja ou muitas outras emoções, que não nos deixam viver em paz). Mas tenho certeza que cada uma delas é muito importante no meu caminho.

 

– Já és mãe? De quantos filhos?

Sou mãe de quatro filhos, dois que decidi ter e dois que não estava preparada para receber.

 

– Sentes que a Maternidade te despertou e te fez olhar para ti, como sendo uma Mulher diferente?

Ser mãe… Ser mãe permitiu chegar a um lugar que eu não sabia que existia dentro de mim, ser mãe fez-me renascer, ser mãe faz-me lembrar todos os dias da dádiva que é estar viva. Ser mãe é ser nada e tudo ao mesmo tempo, ser mãe é conectar-me ao mais essencial e básico que existe da vida, é chegar à matriz de onde toda a vida começa. É viver cada dia como se fosse o último, é saber amar sem retorno, é dar asas e confiar no voo, é trabalhar o anjo e o demónio que habita em nós… Ser mãe… é gerar e acolher a Vida.

img_1064

 

– O que pensas sobre o parto na água? Imaginas-te a ser uma Mãe d’Água?

Muitos anos antes de conhecer o grupo Mães d´Água, quando estava grávida do meu primeiro filho (que decidi ter) procurei informação sobre os partos na água, sentia-me atraída por esta vontade de fazer um parto na água.

Como toda a vida é um processo evolutivo – a minha não é exceção -, as inseguranças, os medos, a culpa não me deixaram decidir por esta opção. Sinto que quero viver essa experiência…

… sei que o parto na água é uma das formas mais naturais de nascer. Hoje acredito verdadeiramente que também é a forma mais segura de dar à luz. A Natureza é tão maravilhosamente sábia que, quando acreditamos e estamos ligados a ela, tudo dá e está certo.

 

Muito grata, Vera! Grata pela tua partilha, entrega e generosidade ao te deixares ser entrevistada para o nosso site. Que este teu projeto seja um caminho com frutos e descobertas novas para ti! Muito sucesso! 

Liliana ☼ 

Podes ver mais sobre este trabalho inspirador, e despertar a energia feminina que ha em ti, aqui: Viver O Feminino


Sou a Liliana, mas todos me conhecem por Lili. Sou dança, sou Sol, sou música... sou riso, sou lágrimas, estações... sou o dia, sou a noite... sou um eclipse de sentimentos e sensações. Filha da Terra, Mãe d'Água de Coração! ☼