Tempo de renascimento com nova Coluna, A Terra Cura A Terra Cura

A Primavera chegou. Temos o prazer de desfrutar do calor e da luz, que renasceu com toda a sua força e garra.
Da terra começam também a brotar, umas mais tímidas que outras, algumas sementes, e flores desabrocham em doçura, delicadeza e generosidade para connosco.
Uma nutrição holística, intuitiva e integrada é um dos segredos para uma boa saúde física, emocional e psicológica.

É com este renascimento que nasce este singelo espaço de partilha ~ A Terra Cura ~ que liga a nutrição à saúde feminina em todos as suas áreas: ciclo menstrual, pré-concepção, fertilidade, gestação, parto, amamentação e pós-parto.
Espero que aqui encontrem inspiração!

Começamos hoje, honrando esta celebração solar e este renascimento, e dando início à transição alimentar para esta época, também com algumas dicas para uma rica, e bem sucedida, pré-concepção e gestação.

“A Igreja diz: o corpo é uma culpa.
A ciência diz: o corpo é uma máquina.
A publicidade diz: o corpo é um negócio.
O corpo diz: eu sou uma festa.”
~ Eduardo Galeano

Nutrir e cuidar em equilíbrio <3

~ Energia

A energia que nos caracteriza, na Primavera, é a Energia Árvore, que representa uma energia ascendente (a energia que ficou hibernada e decide despontar) e a cor associada é a cor verde.

~ Corpo físico e emocional

Os órgãos a que temos de ter atenção nesta fase de transição são o fígado e a vesícula biliar. Estes são os órgãos em que normalmente acumulamos a raiva, a ira, a cólera. Pessoas que não exteriorizam estas emoções e têm tendência a conter a ira, normalmente têm problemas nestes órgãos.

~ Sugestões

Podemos tomar uma infusão de dente de leão, uma planta que nesta fase já celebra a luz do sol, abrindo-se a ele sem medos. Esta planta é recomendada a pessoas que têm dificuldade em tomar iniciativas e muitos medos – por isso nos ajuda tanto nesta época – e ainda limpa alguma toxicidade de proteína animal que tenha sido consumida durante a fase de Outono/ Inverno.
Nesta fase, os chás de hipericão do gerês, artemísia ou cevada tostada também são benéficos.

A artemisia não é aconselhada a grávidas ou a quem queira engravidar.
Para tostar a cevada basta deixar alguns grãos numa frigideira, em lume muito baixinho, e virá-los de vez em quando. Estão prontos quando ficarem dourados, ou quando os calcarmos com o dedo e os grãos não agarrarem mais na pele. Em chá, a cevada tostada também limpa a toxicidade da proteína animal.

Desde o inverno que sentimos uma sensação de “desenraizamento”, e por vezes são ainda as resistências que colocamos em abrandar nessa fase do ano, em mergulhar na nossa sombra e na escuridão a que os meses de Outubro a Fevereiro nos convidam. E por vezes essa sensação prolonga-se até à Primavera.

~ Actividades sugeridas

Uma das melhores formas de equilibrar esta energia Yin e usufruir dos frutos dessa sombra é andarmos descalços e estar mais em contacto físico com a Natureza. Tocar, abraçar, e observar os seus processos, fechar os olhos e sentir os cheiros. Por vezes pode tornar-se difícil, mas apanhar chuva no corpo, e na cara também, é bom, e cura.
Aproveitemos o próximo “Abril, Águas Mil” para receber a energia da chuva!

O Tai chi e a Dança são duas actividades que nutrem a Energia Árvore (o “dançar só para mim”, sem preocupações formais ou estéticas, é libertador e tem poder terapêutico. Por isso põe a tua música favorita e dança!).

~ Na cozinha

Quando for possível também nos ajuda consumir raiz de bardana (não o chá, mas sim a raíz – é um produto macrobiótico), que pode ser salteada, ou ser adicionada a massas.
Vai ajudar-nos a enraizar.
Aconselho a usar até um pouco durante a Primavera, caso os emoções tenham sido difíceis de gerir no Inverno.

Os melhores cereais para estes órgãos mais sensíveis na Primavera são a cevada, o trigo, a aveia, os couscous e as massas de trigo integral. No entanto, cada vez mais há que ter em atenção as quantidades, na ingestão de trigo. Ainda pertencentes a esta estação – e uma alternativa para quem é intolerante ao trigo – pode ainda escolher entre o amaranto, a quinoa (atenção também para não abusar destes, tendo em conta o factor da sustentabilidade e impacto ambiental no consumo excessivo de produtos não autóctones), o milho miúdo (ou millet), o trigo kamut, triticale (pouco encontrado) e ainda o teff (um cereal da Etiópia). Recomendo para quem sofre de intolerância ao glúten e tem carências recorrentes de ferro/ anemia crónica, que com esta farinha pode fazer um pão fermentado conhecido por Injera.

Para fortalecer estes órgãos escolhemos vegetais de crescimento ascendente – como o alho francês, as nabiças ou os grelos – e ainda, das leguminosas, as lentilhas (e qualquer tipo de feijã, pois fortalece os rins e a bexiga, que normalmente sofreram muito no inverno).

Nos sabores, é o ácido que estimula a Energia Árvore, por isso sejam bem vindos os vinagres caseiros à base de fermentados (kombucha ou jun – a mãe de vinagre), o famoso chucrute ou kimchi (este último já é um pouco picante), e o Miso, temperado com shoyu ou tamari. Comer um pão com fermentação natural e lenta (“sourdough bread”, ou com massa mãe ou o Injera ) confere um sabor mais ácido e de fácil digestão, principalmente se trabalhamos com massas à base de trigo.

O consumo de bivalves pode ser benéfico para o fluxo adequado da energia no fígado e vesícula. Nesta altura do ano já só queremos cozinhar a vapor, cozer ligeiramente ou escaldar. Já não queremos assados, nem comidas cozinhadas a altas temperaturas.

Na saúde feminina, visto que renasce a luz da primavera, aqui seguem umas dicas para as mulheres gestantes que em breve irão dar à luz.

~ Folhas de framboesa ~
As folhas de framboesa ou Rucus idaeus, devem ser colhidas antes da floração (Verão) ou seja, na Primavera. O melhor momento para as colher é ao meio dia, num dia solarengo, depois do orvalho ter-se evaporado. Colocar luvas por causa dos espinhos, escolher folhas verdes e jovens. Secá-las em desidratador ou num molho, penduradas ao contrário num lugar seco por 1 a 2 semanas, dependendo das temperaturas.
As folhas podem ser consumidas em chá ou infusão. Contém fragrina um alcalóide conhecido por tonificar e fortalecer as paredes intra uterinas. São altamente ricas em vitamina C, e ainda cálcio e ferro, vitamina A e B e muitos minerais. É um estimulante para a fertilidade tanto feminina como masculina, principalmente quando combinada com o Trevo dos Prados ou Trifolium pratense (atenção pessoas com epilepsia não podem consumi-lo). A infusão destas folhas ajuda ainda nas hemorragias do pós-parto, a aliviar a dor em trabalho de parto, e estimulando a produção de leite materno. Consta ainda que estimula as contrações uterinas, acelerando o trabalho de parto.

Lembrem-se de pedir sempre autorização e terem uma atitude de respeito para com a planta, antes de colherem algumas das suas partes.

~ Urtiga ~
É na Primavera de Março que começam a surgir as melhores amigas da anemia: as urtigas ou Urtiga dioca, neste caso.

Para as pessoas mais carentes em ferro recomendo cozinharem sempre em panelas e frigideiras de ferro negro, fundido. São objectos bem caros, mas que compensa mais tarde o investimento, pois permitem uma rápida absorção do ferro, principalmente nas mulheres.

Se têm perto de vocês uma floresta virgem com urtigas, incentivo a irem apanhá-las. O truque para não se picarem consta em suster a respiração sempre que tocar na urtiga – comigo resulta!
Para as comerem cruas, em salada, coloquem-nas dentro de um saco de plástico com um pouco de água e esfreguem bem, mas com a delicadeza suficiente para não as destruírem.
Para as cozinhar em sopas devem colocá-las apenas no fim, não as deixando nunca ferver, ou chegar a altas temperaturas senão perdem-se todos os nutrientes!

Existem mulheres que na gravidez alteram a infusão destas duas plantas e investem no último mês só folhas, e depois urtiga, para garantirem a quantidade suficiente de vitamina K no sangue antes do parto.
A infusão de urtiga é bastante benéfica para os rins e ajuda ainda a dissolver e eliminar pedras nestes órgãos. Aumenta também o grau de fertilidade nas mulheres e homens, nutre a mãe e o feto, atenua cãibras e espasmos dos membros inferiores, e, pelo seu elevado teor em cálcio, diminui a dor no pós parto.
O sumo fresco de urtiga – tomado em doses de colheres de chá – reduz a hemorragia no pós parto.

Que estas sugestões vos permitam redescobrir em vocês um lado que está apenas adormecido, e a que acedemos, quando nos conectamos e sabemos como nos nutrir.
Que acedamos todas a essa magia da nossa Matriz.

Carinho meu,
~ Joana

~ Alertamos que estas dicas não pretendem substituir nenhum tipo de diagnóstico médico ou qualquer tipo de tratamento, em caso de dúvida aconselhamos complementar-se esta info com um profissional de saúde. ~

(imagens de Chanel Baran)


Mulher, Amiga, Filha, Companheira, Cozinheira. Acredita que o Universo está dentro de cada um de nós, e que resgatando os rituais dos nossos ancestrais, seremos mais Unos com a nossa Grande Mãe Terra. A Joana , faz por isso um bocadinho todos os dias.