Ser Mãe mudou a minha Liberdade Yoga e a cidade

Antes de ser mãe era professora de yoga, e adorava! Adorava praticar e adorava partilhar a minha experiência. E a minha intenção era (e é) continuar a melhorar a minha prática cada vez mais!

Eu descobri que estava grávida no dia 1 de Janeiro – Ano novo, vida nova! – e na semana anterior tinha escrito as minhas resoluções para o novo ano. Grande parte delas estava relacionadas com o Yoga… Por exemplo, queria estudar mais os Vedas, queria melhorar as minhas invertidas (a minha grande dificuldade na prática física), queria voltar a fazer um Vipassana (meditação do silêncio) e queria começar a planear a minha volta para a Índia.

Escusado será dizer que… todos os pontos da minha lista ficaram adiados, afinal, as prioridares transformaram-se.

A minha prática pessoal mudou e muito, mas não da forma como eu tinha planeado.

Fazer invertidas deixou de ser a minha grande dificuldade na prática (continua a ser um desafio!), agora o desafio é conseguir praticar com um filho sempre presente.

Várias coisas foram surgindo, várias vezes me fui reinventando.

 

No ano em que pensava voltar a fazer um Vipassana tive que aprender que às vezes encontrar um “espaço para mim” não significa parar e isolar-me, não significa o incenso a queimar, nem a música ideal a tocar e eu sozinha a fazer Asanas no meu tapete… – É claro que isso é mais do que bem vindo e muito apreciado! – Agora, um espaço para mim às vezes podem ser umas simples respirações de olhos fechados, só o tempo suficiente para voltar à minha interioridade. E uma hora sozinha no tapete sem barulho sabe igual a um retiro!

Por agora estou numa fase em que faço a minha prática rodeada de brinquedos e com um “pequeno macaquinho”, que alterna entre trepar para cima de mim, fazer das minhas pernas uma pista de carrinhos ou pedir maminha.

Não é propriamente a ideia que eu tinha de uma prática pessoal, mas é a minha realidade estes dias… E sabes que mais? Gosto dela!
Sinto este “novo yoga” como uma libertação, um novo modo de ver a minha vida, e a minha prática.

Os meus planos de Retiro ou de retorno à Índia ficaram adiados (não esquecidos, só adiados).

E tu, que revoluções e reviravoltas aconteceram na tua vida desde a tua gravidez? De que te libertaste?


Apaixonada pelo processo de desenvolvimento humano. Apaixonada pelo Yoga. Apaixonada pelo parto. Apaixonada pela Vida. Sou Mulher. Sou Mãe. Sou Alma.

  • Vera Eva Ham

    ah! lindo, tão verídico! e paradoxal, como toda a beleza da vida <3