O Tempo Sagrado da Mãe Yoga e a cidade

Neste mês em que lembramos o sagrado do parto e da gravidez – Maio, o mês de Maria por excelência – não posso deixar de ter presente o potencial de revelação espiritual que este momento contém.

Nesta vida, tantas vezes sem sentido – ou com sentidos que nem sempre são óbvios no momento – vou tentando conhecer-me sempre um pouco melhor, tentando superar-me, tentando transcender-me.

Tantas vezes procurei experiências que me facilitassem esses processos de auto-descoberta, que ajudassem o meu desenvolvimento espiritual. Procurei rituais, experiências extremas, vivências intensas. Fiz viagens, desafiei-me – mesmo a minha caminhada pelo Yoga vai de encontro a esta sede de descoberta, a esta procura de algo mais do que os sentidos menos óbvios da vida – procurei, estudei, viajei meio mundo. Procurei dentro, e fora de mim.

Mas a verdadeira inciação, o momento de maior consciência espiritual que vivi foi mesmo parir.

Sentir-me um canal que se abre para trazer a este mundo uma nova vida é algo tão poderoso que, por mais que eu escreva sobre isso, nunca vou conseguir trazer a essência desse momento por palavras.
Sentir-me mais do que Eu, senti-me em união com o Todo, sentir a dissolução de todas as barreiras do meu Ego. Foi uma experiência de expansão de consciência tão profunda que não tenho a menor dificuldade em dizer que foi o momento mais espiritual da minha vida!

Essa descoberta espiritual não acaba no parir, mas continua! Não com tanta intensidade como a “ida ao cosmos” que é o parto, mas continua… Ser mãe é todo um novo livro na minha vida!
Podia falar do sagrado que é cuidar de um novo ser…
Podia falar do desafiante que é aprender a ser Eu + Um…
Podia falar das dúvidas e das bênçãos da maternidade…

… Tudo isso seria legítimo, conseguiria encontrar verdadeiras descobertas espirituais em cada um desses momentos…

Mas a verdade é que o redescobrir-me enquanto mulher – enquanto pessoa – descobrir que a minha vida é preciosa, descobrir formas de me nutrir, isso sim, talvez seja o que tem para mim o potencial espiritual mais tremendo!

Porquê?

O tempo que uma mãe tem para si é curto, e precioso – na verdade o tempo que cada um de nós tem para si é curto e precioso, mas eu só o descobri agora – e, saber cuidar de aproveitar esse tempo da melhor forma possível, nutrindo verdadeiros encontros – comigo e com o outro – é um ensinamento sagrado!

Agora sei o quanto a vida é preciosa, e não a quero desperdiçar!
Agora sim, encontrei O Caminho!


Apaixonada pelo processo de desenvolvimento humano. Apaixonada pelo Yoga. Apaixonada pelo parto. Apaixonada pela Vida. Sou Mulher. Sou Mãe. Sou Alma.