Abril chuvoso, Maio ventoso e Junho amoroso, fazem um casal formoso A Terra Cura

Solstício de Verão ou Litha, é o dia em que o Sol atinge o seu ponto máximo, traduzindo-se no dia mais longo do ano. Esta é uma celebração quase paradoxal, pois representa um ponto de viragem, em que a energia muda. Os dias irão começar a ser mais curtos e as noites mais longas, de uma forma muito suave e ligeira. Ao mesmo tempo que é ainda um momento de expansão, de expressão, crescimento e abundância e claro, uma vez mais, de celebração por recebermos toda esta Luz. Nesta fase de transição algumas pessoas mais sensíveis podem sentir-se afectadas por esta mudança, daí aceitarmos este convite para aprendermos realmente a viver o momento presente.

 

Uma vez mais a tradição é saltar fogueiras para deixarmos para trás o que já não nos serve e espalhar as cinzas pelos campos em honra da fertilidade. Soltam-se balões no céu de noite, fica-se acordado a noite toda, e ao nascer do Sol tomamos banho de mar ou de rio. O nome Litha, deriva de uma frase do inglês antigo, para Junho, que significa “ antes do meio do verão” .

Este é um bom momento para fazermos oferendas aos nossos amigos, fadas ou anjos. É ainda um momento que representa a mortalidade. É neste mês e nos que se seguem que podemos ver a força da vida, a sua vitalidade bruta  nos campos e ao mesmo tempo o presságio de um declínio inevitável. Logo, a Litha é um festival que nos convida a pensar sobre a morte, não a tendo como algo que termina, mas sim, como o início de algo muito maior.

E é exactamente por esta razão que a força do Sol começa a diminuir. Sendo assim, convido-vos a uma práctica para este solstício : oferecermo-nos a oportunidade de comandarmos os nossos próprios pensamentos. Esta é uma práctica chave para esta transição espiritual. Esta não é uma técnica para negarmos a luz ou a sombra, serve antes para olharmos para as coisas como elas realmente são e aprendermos a apreciar o paradoxo da vida.

 

No Verão consumimos mais líquidos, mais verduras e frutas frescas, de preferência da época. Esta é uma boa oportunidade também para experimentarmos jejuar ou implementar uma dieta crudívora. Existe uma variedade imensa nesta estação – desde as bagas, aos figos, às suculentas melancias, melões e meloas, os crocantes e sumarentos pêssegos e alperces. De vegetais temos o pepino, as variadas alfaces, courgettes de todas as cores e tamanhos, beterrabas, alcachofras, ervilhas e o tão famoso tomate.

 

Aqui segue um exemplo de um menu para um dia de verão:

 

Bagas frescas ( mirtilos, groselhas, framboesas ou amoras )

Cereais com arroz tufado com iogurte

Amêndoas demolhadas e tostadas

Salada de verdes, cenoura ralada, tomate, com feijão frade , molho vinagrete e pedaços de abacate.

Pêssegos frescos

Esparguete fingido de courgette e abacate

Pudim de arroz

 

Salada de Beterraba Russa

 

Cozer as beterrabas por 20 a 25 minutos. Cortar em pedaços muito pequenos e enquanto ainda estão mornas, mariná-las com vinagre, alho e mel. Deixar marinar por 30 minutos. Adicionar meia cebola roxa picada, cebolinho, metade de um pepino, dois ovos cozidos picados, um punhado de funcho picado, duas taças de iogurte, sal e pimenta a gosto.

 

Com este calor que chegou de repente, de que forma podemos levar o nosso dia a dia de uma forma mais agradável ? Tomarmos banhos de lua cheia num rio ou mar perto de nós. Ajuda a equilibrar o Pitta ( fogo interior na medicina ayurveda ) . Fazer caminhadas sobre a Lua Cheia ou apenas sentar sob a Lua vestida de roupa branca. Termos pelo menos um dia de alimentação crua e consumir líquidos como batidos ou sumos de fruta e verdes. Tentar ter um biorritmo regulado pelas horas do sol : acordar antes do sol nascer e jantar comidas leves e pelo menos 3 horas antes de dormir.

 

Fazer infusões de menta ou citrinos ( frias; baixam o Pitta ) . Evitar cebola, alho e picantes. Ingerir sopas frias, bolinhas energéticas, esparguetes fingidos ( com espiralizador ou descascador de cenouras).

 

Executar técnicas frias de respiração como pranayamas, sheetali ou cooling breath e left nostril breathing. Passar óleo neem pelo corpo, porque é frio, refrescante, bom para queimaduras solares e ainda repelente.

 

Para a  saúde feminina….Para quem sofre de dores menstruais existem algumas posições de yoga que podem ajudar, tais como : Pavanamuktasana ( posição do feto ) , Marjarasana ( posição do gato )  e Balasana ( posição da criança ) .

 

A nossa menstruação é um momento sagrado, por isso, seria extremamente importante que começássemos a alterar as nossas rotinas, de forma a dedicarmos este momento única e exclusivamente para nós. Imagino que para algumas seja difícil, pois todos sabemos que a sociedade não está preparada para esta mudança, mas apenas ainda não está. E não está, porque nós não pedimos esse espaço e esse tempo para nós.

 

Enquanto menstruamos geram-se movimentos energéticos intensos no nosso útero para libertar uma capa. A energia concentra-se na glândula pituitária e a nossa força matriz enfoca toda a nossa energia para baixar à terra. Este tempo pede-nos renovação, limpeza, reflexão e quanto mais tempo passarmos na natureza melhor. Que encontremos um espaço para nos sentarmos e menstruarmos directamente na terra, e deixamo-nos ficar assim. Podemos levar alguns elementos que nos relembrem da força, como pedras ou amuletos, podemos levar tambores e tocarmos só para nós e cantarmos.

 

As infusões de valeriana, milefólio , urtiga vulgar com dente de leão ( esta principalmente para depurar e compensar a perda de sangue ) e gengibre ( reduz a tensão das cãibras ). Consumir alimentos ricos em potássio como gérmen de trigo, amendoim, abacate, sésamos, nozes. O potássio ajuda a regular os líquidos do organismo e evita as cãibras. Consumir alimentos diuréticos como ananás, melancias e pepinos.

 

Para quem vive no campo, e conseguir encontrar, estes são os dias para colher Hypericum perforatum ou Erva de São João ou Hipericão ou Milfurada – chama-se assim porque as folhas têm muitos furos milimétricos –  para fazer tinturas homeopáticas – metade do frasco com partes frescas da planta e a outra metade com aguardente . Quanto mais duras as partes da planta, mais tempo fica em repouso. Normalmente 9 dias as flores, 18 dias caules e folhas duras, 27 dias as raízes. Para as macerações ( apenas para uso externo ) , colocar ⅔ da planta fresca em pedaços e o resto em azeite. Envolver num pano, e deixar num lugar fresco e escuro por 21 dias.  Com o hipericão deixar por 45 dias ao sol.

 

Esta é a planta associada à luz e ao Solstício de Verão, no entanto, serve também para o de inverno, como toma anti depressiva, para as pessoas que sofrem com a alteração da luz do Verão para o Outono.

O Hipericão corresponde ao signo de Leão, e na tradição popular queimam-se ramos no solstício de verão para afugentar os demónios e maus olhados. Ajuda-nos a absorver a luz e a activar a luz que há em nós, chegando a activar o nosso ADN, podendo até transformá-lo. Influencia o nosso terceiro olho, e podemos ter sonhos visionários e desperta ainda a nossa multi dimensionalidade. Leva-nos a iluminação e participa de uma mudança a nível de consciência da humanidade.

É bom para tomar antes de dormirmos, se quisermos evitar pesadelos. Estimula a menstruação, cura a ciática e é altamente recomendada para a insanidade e hipocondria. A sabedoria popular manda colocá-la na testa para afastar os maus pensamentos. É um fertilizante feminino e diz-se ainda ser afrodisíaco. Diziam que se uma mulher caminhasse nua para apanhar hipericão,ela podia conceber nesse próprio ano.

 

É um excelente tónico para o sistema nervoso e é anti-viral contra a herpes. Acalma a ansiedade – principalmente combinado com a aveia, insónias e desordens obsessivo-compulsivas, costumam chamá-la a Arnica do sistema nervoso. Muito benéfico para as mulheres aliviando dores menstruais, períodos pesados, Síndrome Pré Menstrual e menopausa. Limpa ainda as toxinas de medicamentos – logo ter muito cuidado porque pode anular o efeito destes e normaliza o ácido do estômago, melhorando a absorção dos nutrientes. Contém melatonina – a hormona produzida pela glândula pineal e que promove os padrões de sono saudáveis, treinando o corpo para se aproximar dos ciclos naturais, logo, é recomendada para quem sofre de “ jet lag” .

 

Que celebremos esta energia de Solstício e de Lua Nova, caminhando pelos campos em modo de meditação, introspecção e muita consciência para uma nova fase que se avizinha.

 

Fotografia de Angela Gallo


Mulher, Amiga, Filha, Companheira, Cozinheira. Acredita que o Universo está dentro de cada um de nós, e que resgatando os rituais dos nossos ancestrais, seremos mais Unos com a nossa Grande Mãe Terra. A Joana , faz por isso um bocadinho todos os dias.