Não sei como chorar Grito na Lua Negra

Tenho-me sentido cansada e exausta. Sem paciência e com vontade de berrar com tudo e todos. Isto tem-me feito pensar que, após três anos sendo mãe, ainda não me consegui libertar… Ainda não consigo tirar tempo para mim longe dela sem culpa e sem pressas. Opto mesmo por não o fazer.

De que tenho medo?

Porque reajo assim se digo a todas as mamãs que conheço para terem esses momentos?

Se sei que é importante e tenho um parceiro disponível e que me ajuda e incentiva a sair… Porque não aproveito? O que me assusta?

Sempre, desde criança, que tive dificuldade em falar dos meus sentimentos. E continuo assim. Falar continua a ser um problema para mim. Sinto que esta coluna, este grito, surgiu por isso… Para me ajudar a libertar. Será por isso que tenho medo de estar sozinha? De me redescobrir? Sou uma nova mulher. Porque será que me custa conhecer este novo eu? Se ensino a minha filha a demonstrar o que sente, incentivo-a a chorar ou berrar se é o que sente no momento… Porque não faço o mesmo?

Sou sensível, em criança achava que tinha de ser forte e que chorar ou ficar triste eram sensações para não valorizar, quase não sentir. Ficava triste um dia e, no seguinte, arregassava mangas e ia à luta. Tinha de ser forte! Sempre vi a minha mãe assim e sempre a admirei por isso. Hoje sei que ser vulnerável é ser forte. Mas não o sei ser. Não o consigo demonstrar. Sufoco o choro sempre que sinto as lágrimas chegarem aos meus olhos. E, ainda, não consigo chorar à frente de ninguém. Já o fiz à frente do meu companheiro mas sinto-me frágil. Agora sei o quanto é bonito e difíil ser frágil, expor as emoções. Mas, ainda, não o consigo ser. Em jeito de inspiração para mim e para todos que, como eu, têm vergonha de chorar, berrar ou de mostrar o que sentem (seja por que motivo for), comprometo-me a fazer um esforço por mim! Porque mereço sentir e mostrar como sou e como me sinto! Vou escrever sobre, tentar falar, o que aprender que resulta melhor para mim. Deixo um mantra para nos inspirar e encorajar a fazê-lo. Usem-no ou, porque não, criarem os vossos?

 

Sou Amor

Sou Mulher

Sou Emoções!

Permito-me sentir o que vibrar no meu coração!

E está tudo bem

Permito-me libertar as energias de que não necessito!

Sou capaz e sou grata por isso!

Assim é!!!


Cátia é mãe, mãe d´água de coração! Adora o conhecimento acerca do funcionamento do corpo humano, desenhar e brincar com a sua princesa. A Cátia é AO, terapeuta de Shiatsu e de Chi Kung, Naturopata e amante das medicinas complementares. Ela defende que devemos aprender a conhecer o nosso corpo e viver em harmonia com ele e com a natureza.

Recommended Posts