No parto nasce uma mãe… e um pai Grito na Lua Negra

No mês da Mulher resolvi pensar no meu homem, no meu parceiro que me acompanha há quase 11 anos nesta longa aprendizagem a que chamamos de relacionamento. Têm sido três anos de aprendizagem para ambos e, também aqui, ele parou para me ouvir. Somos muito diferentes na maneira de educar e ver a parentalidade. Mas sinto que ele me escuta. Não em função de prevalecer o que eu quero ou penso mas sim respeitar a pessoa que temos à frente. Ambos queremos que ela cresça num ambiente de amor e respeito com uma boa dose de loucura, arte, música à mistura.

 

Mas, ainda assim, há momentos em que parece não ser suficiente. E porquê?

 

Isto tem-me feito pensar nele. Ele sente que faz o que pode e ajuda sempre. E abre o seu coração sempre que falamos sobre isso. Eu estou a aprender, a adaptar-me à minha filha, ao seu crescimento, às “birras”,… Mas ele também está!!! E não tem culpa da minha frustração. Não tem responsabilidade. Ele também está a crescer como pai e dá muito valor à minha opinião! Sou grata por isso e tenho de aprender a não me esquecer disso. Sim, é importante e fundamental pedir ajuda! Mas, não te esqueças que ele também pode estar a precisar. Que faz o melhor que pode e sabe. Diálogo e comunicação sempre!!!

 

Não me posso esquecer que a parentalidade aconteceu de forma diferente entre nós. Eu sempre senti que fazia parte do meu caminho ser Mãe. O Filipe abraçou o meu desejo. Aceitou-o e tornou-o seu, à sua maneira. Colocou de lado os seus medos para viver algo intenso e genuíno comigo. Nunca parei para pensar nisto… até este momento! E o significado que isto tem! A gratidão eterna que sinto pela capacidade dele em se envolver em algo que nunca pensou e não lhe fazia necessariamente falta.

 

É preciso amar para tomar uma decisão assim.

 

A nossa vida mudou muito mas também depende de nós o rumo que lhe queremos dar. Não há melhor dádiva que a maternidade e, também, não há maior desafio. Nem sempre é tudo sorrisos mas, quando nos valorizamos e à pessoa que está ao nosso lado, tudo fica mais simples.

Por isso, Filipe muito grata por tudo o que fazes, pelo homem que és para mim. Pela confiança, ajuda e sorrisos que me dás sempre e pelo pai que és! Valorizas a minha opinião e respeitas o ser que cresce à nossa frente! Amo-te!


Cátia é mãe, mãe d´água de coração! Adora o conhecimento acerca do funcionamento do corpo humano, desenhar e brincar com a sua princesa. A Cátia é AO, terapeuta de Shiatsu e de Chi Kung, Naturopata e amante das medicinas complementares. Ela defende que devemos aprender a conhecer o nosso corpo e viver em harmonia com ele e com a natureza.