[Relato de parto #41] Carolina Ferreira Parto Com Água / Relatos

Hoje e a cada dia que passa me lembro do nosso parto, cada dia que passa essa transformação tem um impacto em mim, sinto que o parto não foi só no dia 7 de dezembro de 2017, começou antes e dura até aos dias de hoje, pois foi e está a ser uma experiência que me tem trazido o melhor da vida, o início foi nesse dia, mas as maravilhas têm vindo todos os dias!

Sinto que nesse dia novas pessoas nasceram cá em casa…

Agora quase passado 12 meses da minha filha ter sido gerada, intencionalmente, quando nós pais quisemos e sentimos que era o momento e que ia acontecer…

Que sentimos que o nosso amor iria passar a ser multiplicado por 3…

Desde esse dia, que respeitamos também a vontade da nossa filha… curiosamente e porque nada é por acaso, foi graças à minha querida amiga Susana que soubemos que era possível parir em casa, nunca imaginámos que fosse possível, não estava minimamente informada, lembro-me tão bem de quando lhe dei a notícia da nossa gravidez e pedir informações de como foi a gravidez e o parto dela, de ter delirado e achado tão lindo e maravilhoso o amor que ela sentia pela experiência de parto deles, que a curiosidade e a possibilidade de sentir algo semelhante era imensa e então quis saber como poderia fazer também…

Quando conhecemos a equipa de parto, sentimos tanta confiança e segurança, como até às 15 semanas de gravidez ainda ninguém nos tinha transmitido, foi amor à primeira vista. A tomada de decisão foi muito breve, mal saímos de ao pé delas, nós os três já sabíamos que era com elas que queríamos nascer…

Todo o acompanhamento foi incrível, profissional e com uma sensibilidade que me arrepia ao recordar.

Chegado o dia que a Margarida decidiu vir ao mundo, em que o trabalho de parto começou, em que a magia começou a acontecer (magia é algo que não sabemos como vai acontecer, o que vem a seguir e o que poderá acontecer, mas que sabemos que o final será inacreditável… )

Assim começou, aquela dor que hoje digo ser maravilhosamente dolorosa, a melhor e maior dor das nossas vidas, porque doeu a nós os três de maneiras igualmente diferentes, cada um de nós sentiu da sua forma, da forma que cada um necessitava para nascer, uns de novo e a Margarida pela primeira vez…

O acompanhamento das minhas queridas fadas como gosto de chamar, foi de uma sabedoria, delicadeza, respeito, confiança, humildade, paciência, amor, inúmeras coisas maravilhosas de seres muito especiais que atenuaram toda a explosão que acontecia no nosso pequeno T2…

A dor que assusta muitas mães que vão ter a primeira experiência e que revelam ser o seu maior medo, confesso que também era o meu, mas que estava tranquila ao mesmo tempo, pois a pequena Margarida sempre me fez sentir muito tranquila… essa dor que tentava imaginar, posso dizer que por mais que tentasse nunca iria imaginar uma décima do que é na realidade, é milhões de vezes mais intensa do que se pode imaginar, pelo menos para nós foi, mas hoje digo e sinto-me orgulhosa por sentir que era capaz de o fazer as vezes que fossem precisas, pois é a dor que nos torna mais fortes e nos faz sentir que não aguentamos mais e vamos “morrer” mas que nos dá A VIDA, é uma prova da natureza, que nos faz sentir tão fracos e ao mesmo tempo invencíveis.

O meu marido foi um companheiro, sentiu tudo connosco, partilhou e nunca nos largou, esteve sempre connosco a sentir cada segundo do que havia para sentir, nunca duvidou de nós, nunca me perguntou se queria desistir por me ver com tanta dor… Nunca desistir passou pelas nossas cabeças.

Chegado o momento entrar na água e de saber que receber a Margarida estava em breves instantes…

Recebê-la nos nossos braços, sentir a pele dela na minha, vê-la pela primeira vez, sentir que todo o sonho era mesmo real, é dos momentos mais lindos de tudo o que há na minha memória, nasci para este momento, para sentir a felicidade ao extremo…

 

E esta magia, magia e amor continua igual, maior, de forma imensurável nos dias de hoje…

O acompanhamento no pós-parto foi incrível como tudo até aqui, achei tão ou mais importante que tudo, eu não me sentia bem segura nem confiante em mim mesma, mas o acompanhamento das Doulas foi tão importante que permitiu que eu sentisse toda a confiança e segurança do mundo e a partir desse momento, a maternidade correu de forma tranquila como tem corrido até aos dias de hoje, porque só temos de acreditar e querer muito e assim é mais de meio caminho andado para tudo dar certo.

Agradeço imenso de todo o coração às pessoas incríveis que fizeram o nosso parto e à Susana por ter partilhado e dado a conhecer esta magia. Sinto que estou realizada e me superei de tantas formas, que a cada dia que passa esta experiência me transforma.