Cuidando do assoalho pélvico e períneo Coluna Humaniza-te

Me encanta tanto a gestação por ser um dos períodos onde temos a possibilidade de descobrir muito sobre nós e nossos corpos, inclusive cuidados com aspectos da nossa saúde que são pouco falados.

Hoje vou falar sobre uma área preciosa:
A MAP (musculatura do assoalho pélvico)

Esta é a zona que fecha a parte inferior da pelve e por este motivo estes músculos acabam sustentando o peso dos chamados órgãos pélvicos (útero, ovários, bexiga, etc), mantendo-os em suas posições normais dentro da cavidade pélvica, e sendo exigidos constantemente durante toda a vida a mulher para estabilizar qualquer tipo esforço.

Os órgãos são sustentados por ligamentos e fáscias (elásticos biológicos que prendem os órgãos aos ossos). Como qualquer elástico, os ligamentos e fáscias não podem ser submetidos a tensão constante: eles podem ser exigidos apenas em períodos curtos de tempo. Do contrário eles vão sofrendo micro lesões e por fim podem vir a ser rompidos. Quem evita este tipo de sobrecarga, e, portanto, de lesão, é justamente a MAP, que se contrai vigorosamente empurrando os órgãos para cima durante os esforços, protegendo o trabalho dos ligamentos.

Durante a gestação, a sobrecarga na MAP é radicalmente aumentada. Afinal, além de sustentar o peso constante dos órgãos pélvicos agora ela precisa sustentar todo o peso do bebé e dos anexos embrionários (placenta, líquido amniótico, entre outros).

O períneo é a região localizada entre a vagina e o ânus, que sustenta todos os órgãos pélvicos, a “base” do MAP.

Os cuidados com o períneo durante a gravidez facilitam a passagem do bebé pelo canal vaginal, prevenindo a necessidade de uma episotomia, e para preservar o períneo de traumas no parto normal, o caminho mais seguro é prepará-lo previamente.

Para tanto existem duas formas:
– Primeiro o fortalecimento, realizado por meio de exercícios (que deveríamos fazer sempre não somente na gestação) que são Kagel e associado a Yoga ou Pilates.
– A segunda é o aumento da elasticidade, obtida por meio de massagem perineal e/ou aparelho dilatador (EPI-no) que pode ser aplicada após a 32ª semana de gestação (normalmente aconselhado pelo médico após a 35ª semana).

Existem diversas fontes entre livros e vídeos ensinando tais procedimentos, porém em minha experiência aconselho a busca de um profissional adequado de assistência ao parto tanto para esclarecer dúvidas como para orientar de forma eficiente e segura.

Boa prática!!

(Imagem de Camilla Albano)

~ Mais sobre esta tematica na nossa entrevista semanal com a especialista Soraia Rosa Coelho ~


Mãe de Lenin e Manuella, Doula, Terapeuta Corporal, Instrutora de Yoga com foco em Gestantes e Crianças, da Associação Internacional de Ecologia Feminina,desenvolve e aplica projetos na área, workshops e atendimentos individuais desde 2008.